Virando a Própria Mesa – parte 10: Me dê motivos pra ir embora

by - 00:52

Engana-se quem pensa que estou deixando o Brasil pra ir morar na Austrália porque estou descontente com a situação caótica, lamentável e irreversível do meu país. Não é por conta das roubalheiras e das impunidades que vou embora, apesar de não conseguir vislumbrar um futuro digno por essas bandas.

Tampouco minha vida aqui é ruim ou estou infeliz. Não é nada disso. Minha vida nunca foi tão boa e eu nunca estive tão bem comigo mesma, tão plena, tão segura. E é justamente por estar me sentindo assim que decidi que era hora me proporcionar uma experiência completamente diferente. Não deixaria a minha zona de conforto onde tenho minha família e meus amigos bem pertinho, se estivesse deprimida. Não fugiria pra outro país se quisesse curar uma dor de um amor mal acabado. Não juntaria as minhas tralhas todas, não deixaria o trabalho, o conforto da minha casa própria e todas as certezas e seguranças que tenho pra tentar escapar de algo que me incomoda por aqui. Minha mãe sempre me disse que a gente pode viajar pra lua, mas que levaremos sempre aquela bagagem invisível que temos dentro de nós chamada sentimento. Posso ir pra Austrália, pra China, pro deserto do Saara, mas minha cabeça e tudo o que há dentro dela de bom e de ruim irá me acompanhar. Por isso acho importante estar muito bem comigo mesma pra fazer toda essa mudança, porque o fato de fincar a bandeira em outro país e começar uma vida do zero, por si só ja será difícil demais e se eu estiver infeliz ou querendo fugir de alguma coisa ruim, muito provavelmente não darei conta de me estabelecer e viver como eu quero.

Decidi viver em outro país porque tenho aspectos da minha natureza e da minha personalidade que preciso mudar, preciso melhorar. Sei direitinho o que é e acho que somente estando sozinha num lugar estranho, vivendo numa cultura diferente, passando perrengues que só que mora no exterior passa, é que vou conseguir aparar essas minhas próprias arestas pra me transformar naquilo que acho que é o melhor de mim.


Quero vivenciar sentimentos que nunca tive,quero saber até onde posso ir nos limites de mim mesma, quero aprender a ter saudade, quero chorar de doer o peito lendo um email e sentar na beira do mar pra lembrar o que me levou até ali quando o desespero e a vontade de percorrer o caminho de volta me invadir. Quero poder me desafiar um pouquinho a cada dia e comemorar cada pequeno passo que eu der rumo a uma grande realização final. Quero enfrentar meus medos mais obscuros, quero descobrir outros que nem sei que tenho. E mesmo assim quero aguentar no osso e seguir firme no meu propósito de ficar por lá.




Veja mais Posts

1 comentários

  1. Vai, Menina!!

    E, olha, por mais impaciente que eu fique com esse povo que sai do país por conta da roubalheira (que sempre existiu, então não sei por que esse pessoal tá indo embora agora, aliás, sei, sim), tenho que admitir que a violência por aqui não dá mais e que quem anima de tentar a vida lá fora com raça tem mais é que ir mesmo.

    No entanto, fico muito feliz que seus motivos sejam tão mais belos e positivos, haha! :)

    ResponderExcluir