Aborto: quando ninguém pensa

by - 01:13

Já faz um tempo que a discussão pela legalização do aborto na nossa pátria amada, Brasil, vem ganhando espaço nos grupos de feministas (detesto essa palavra), nos encontros dominicais das igrejas, nas mesas de bares e óbvio, nas redes sociais. Todo mundo tem uma opinião formada à respeito de tão delicado tópico, inclusive eu. E como mulher e portanto, dona do meu próprio corpo, o que me permite fazer dele o que eu quiser – usando o principal argumento  das feministas pra defender o tema -, vou me manifestar sobre o assunto.

Aborto pra mim é a prova cabal do relaxamento das mulheres com seu próprio corpo e sua saúde. Excluindo dessa conta as que são estupradas ou aquelas que estão gerando um bebê que corre sério risco de vida ou que as coloca em risco, o resto aborta por puro relaxamento e desleixo. E pra esse tipo de caso que infelizmente é a maioria, não sou a favor da legalização.

Em pleno ano de 2014, quase 2015, só fica grávida quem quer porque a infinidade de métodos anticoncepcionais disponíveis no mercado é gigante, acessível e nem precisa de receita controlada. Camisinha o governo oferece gratuitamente nas esquinas e os motéis deixam ao alcance da mão no criado mudo sem nenhum custo extra. Não há desculpa pra não usar. Pílula é possível comprar na farmácia sem precisar de receita controlada. Anel vaginal idem. DIU o SUS coloca sem custo nenhum. Implante o plano de saúde cobre. E aí, vai engravidar pra ter que abortar depois por que mesmo?

Fico chocada ao saber de casos de mulheres que se consideram modernas e esclarecidas, mas que ainda recorrem ao método mais invasivo e ignorante pra se livrar de uma gravidez que não desejam e fico me perguntando por que não se protegem, não se cuidam, não se preservam. Porque usar uma camisinha além de evitar um bebê, evita doenças e nisso ninguém pensa. Pior do que ter um filho é ter AIDS, mas nisso ninguém pensa também.

Se nos faltassem informação e opções contraceptivas, talvez eu fosse sim à favor do aborto. Mas não é esse o caso. O que falta pras mulheres é perceberem que ser donas do próprio corpo implica, acima de tudo, em respeitá-lo e cuidá-lo. Mas nisso ninguém pensa. Mais fácil é abortar, não é mesmo?

Veja mais Posts

1 comentários

  1. Tudo o que você escreveu é verdade, assim como muitas das colocações que são feitas por quem é contra a lei de cotas nas universidades. A verdade é essa mesmo, existem vários métodos contraceptivos de graça e fácil acesso, afrodescendentes não são menos inteligentes, mulheres são tão competentes quanto os homens e por aí vai... Mas qual é a verdadeira realidade que vivemos? Mulheres se sujeitando a abortos clandestinos, universidades com baixo índice de alunos afrodescendentes, mulheres ocupando pouquíssimos cargos de liderança e quando os ocupam ganhando menos... Ser contra alguma coisa nesse país tem resolvido o quê?

    ResponderExcluir