Das coisas que a chuva leva

by - 10:56

Acordo e durmo e os dias se passam sem que a chuva pare de cair lá fora. Já faz dias. Já faz tempo. É uma chuva calma, fina às vezes, não há trovões ou raios. É mansa como ela, mas sua presença é forte e atordoa. Me atordoa.

Os pingos grossos que por vezes batem na vidraça soam como o caminhar de um relógio atirado sobre a mesa de cabeceira. São ritmados. Constantes. Me enlouquecem.

Acordo e durmo e os dias passam sem que a chuva pare de cair lá fora. Já faz um ano. Ela se foi pra não voltar. Ela disse que não haveria volta e bateu a porta atrás de mim. O som seco da madeira estalando cada uma das suas fibras ainda vive na minha lembrança. Fiquei só.

No dia em que ela partiu chovia como hoje, como ontem e como amanhã. Lembro bem. Os ipês amarelos em frente ao prédio já estavam carregados de flores sinalizando a chegada da primavera, mas ainda assim batia água como nos dias de inverno. As nuvens densas vagavam lentamente. Seu cinza imprimia no céu um ar triste. Talvez o céu apenas refletisse o meu estado de espírito. Eu estava triste pela primeira vez na vida.

Acordo e durmo e os dias passam sem que a chuva pare de cair lá fora. Já faz um ano, mas eu lembro bem. Ela recolheu algumas poucas peças de roupa, alguns casacos impermeáveis, seu par de botas de borracha e jogou tudo no porta-malas do carro pequeno. Bateu a porta atrás de mim e a chave pendendo na fechadura, a sua chave, deixou-me órfão. 

As poças d’água na calçada me serviam de espelho e nelas eu via meu semblante pesado, meus ombros curvados, meus olhos sem brilho. Ela se foi. Num dia de chuva. Fiz o que podia e pedi que ficasse, mas era tarde.


Acordo e durmo e os dias passam sem que a chuva pare de cair lá fora. Já faz mais de um ano, mas eu não posso esquecer. A chuva levou-a de mim.



Veja mais Posts

0 comentários