Big Brother Brasil 13

by - 00:55


Nem bem acordamos com a cabeça doendo depois de tanta champanhe no primeiro dia do ano e ja recebemos na caixa postal o IPVA, o IPTU e todas as outras triviais contas do mês pra pagar. E como se iniciar o ano pagando conta não fosse suficientemente desanimador, ainda somos presenteados ao acender das luzes de cada ano (e ja são 13) com o espetáculo vergonhoso chamado Big Brother Brasil. E não, não adianta mudar de canal quando o programa começar, não adianta bloquear aquele seu amigo que fica de janeiro a abril atolando as redes sociais com comentários, não adianta fingir que isso não ta acontecendo porque uma hora ou outra você vai acabar atingido, seja através da TV do restaurante que você almoça todo dia, seja através da capa das revistas semanais enquanto está na fila do check out do supermercado. Não existe escapatória pro Big Brother Brasil. Por quase 4 meses viramos prisioneiros desse reallity show degradante dentro do nosso país como se vivêssemos na Coréia do Norte ou em Cuba.

Enquanto assistia à um pedaço do programa ontem, fiquei me perguntando o que ele está acrescentando de bom na vida dos espectadores durante todos esses anos. Graças a Deus fui bem educada, tive acesso à cultura e tenho um filtro crítico bem criterioso, então consigo entender perfeitamente que aquilo ali não adiciona nada de valioso pra ninguém. Nas primeiras 24 horas do programa já tinha rolado uma briga entre uma carioca insuportável e um ex participante do programa porque ele havia posado nu pra uma revista. Ãh? Sim. Uma cena lamentável durante uma prova de resistência onde os confinados deveriam ficar o máximo de tempo colados a um carro, mostrando mais uma vez que o programa não tem serventia nenhuma pro progresso da humanidade, nem mesmo pra entretê-la. Ou vai me dizer que você acha engraçado, acha legal ou super se diverte enquanto fica mais de 12 horas na frente da TV vendo pessoas estaqueadas em torno de um veículo? Se você respondeu que sim, pobre de você. Sua vida deve estar mesmo um grande tédio pra que isso seja tudo o que consegue lhe entreter.

Que legal!!! Uma pessoa de bunda de fora colada num carro. Baita programa!

Como se isso ainda fosse pouco, ainda precisamos assistir ao show contínuo de vulgaridade proporcionado pelas participantes da ala feminina do Big Brother, que não ficam nenhum pouco envergonhadas ao cairem de bêbadas, pagarem peitinho e calcinha pra ser bem superficial. E vendo tudo isso é que começo a entender o comportamento e o dress code das adolescentes e da mulherada nas ruas: é tudo um grande espelho. A vida imitando a “arte”. E eu morro de vergonha e de pena alheia por isso. Porque nós mulheres não temos mais nada a oferecer que não seja um bom par de peitos e uma bunda bem grande. Somos só isso embaladas à vácuo nos vestidos bandage e empuleiradas em sapatos meia pata de 10 centímetros.


Não, isso não é puteiro. É um programa de TV aberta.

Enquanto isso, na TV da sua casa durante o jantar de família...

Mas eu sou apenas uma pequena porção dessa vasta sociedade que pensa assim. Os pontos de audiência do Ibope mostram que a maioria discorda de mim e assiste o programa e acha legal. Do contrário ele não estaria na sua 13ª edição. Pensando bem, acho que vou me mudar pra Cuba ou pra Coréia do Norte. Lá pelo menos não serei obrigada a assistir a esse espetáculo.

Veja mais Posts

2 comentários

  1. Concordo totalmente, em gênero, número e grau...e olha que vergonhosamente eles já chegaram no BBB17...a humanidade e suas mazelas...Faz parte do pão e circo a qual a grande e impenssante massa é submetida e emburrecida dia a dia.

    ResponderExcluir